A falta de respeito com o todo.

Muitos de nossa querida profissão teimam em falar que o designer que trabalha com a margem baixa de lucro ou mesmo um freela pode ser considerado um pedreiro.

Analisemos aqui alguns pontos importantes:
O pedreiro por si só domina estrutura simples e acabamento, entende de encanamentos, eletricidade, até ergonomia se duvidar.
O designer por si só domina layout,  acabamento, entende do fluxo de mercado, colorimetria e sabe ergonomia.

A semelhança entre estas, tanto o pedreiro quanto o designer (freela) podem possuir curso superior nas melhores universidades do mundo, mas por opção (ou não) fazem seu trabalho com valor inferior ao da tal “tabela”. Não compreende vendas, mas sabe que precisa vender seu peixe para sobreviver da forma, na maioria das vezes muito longe do ideal. Mesmo assim lutam para atender o cliente lá de baixo.

É um nicho, nicho devem ser preenchidos ou o mercado entra em colapso, imagine pequenas empresas que não podem crescer pois não há um designer para prospectar a empresa, nem ferramenteiros para projetar as peças de forma adequada, muito menos um pedreiro para erguer as paredes da empresa. Sem a empresa que poderia possivelmente aceitar a proposta de ser uma terceirizada não existe como a uma montadora sobreviverá?

Todos começamos de baixo, ninguém nasce sabendo, alguns dão a sorte de cairem nas garras de boas agências de propaganda, onde se lascam fazendo o que não gostam em boa parte, descobrem o maravilhoso mundo freela e não largam mais.

A infelicidade de nossa profissão é o desejo de liberdade, porém sem experiência, sem amor pelo que faz, amar não é só gostar, existe o cheiro, o olhar, o tato, aquele gosto de quando bem feito. Alguns se arriscam logo cedo com egos inflados ao extremo. Outros nunca se acham prontos para sair e enfrentar o mercado (eu por exemplo hehehe).

E você cara lutador, o que acha desse tratamento entre profissionais?
Dê sua voadora 🙂

Anúncios